quinta-feira, 22 de setembro de 2011

sono

Sabemos que a sonolência é responsável por mais de 10% dos acidentes automobilísticos, percentual extremamente elevado quando comparado aos das demais causas. O sono não é proveniente apenas do cansaço, mas está ligado também a muitos outros distúrbios da saúde.
A sonolência diminui em muito a capacidade de dirigir e pilotar. Cada um de nós tem a sua própria necessidade de sono e, em geral, dormimos menos do que precisamos. Muitas pessoas acreditam que podem controlar o sono utilizando artifícios como café, música alta ou vento no rosto, mas sem perceber elas podem “tirar” um cochilo fatal.
Os sinais de sonolência são os seguintes:
  • É necessário fazer força para se concentrar e manter os olhos abertos.
  • A cabeça começa a pesar.
  • A pessoa não pára de bocejar.
  • A visão perde o foco.
  • Os pensamentos começam a ficar vagos e desconexos.
  • Pequenos desligamentos, com desvios na trajetória do veículo.
Alguns cuidados são indispensáveis:
  • A maioria dos acidentes ocorre nas primeira horas da manhã, devido à sonolência mais intensa.
  • Só dirigir ou pilotar se estiver realmente descansado e bem disposto.
  • Ficar atento aos períodos em que o nível de energia abaixa, como após as refeições e durante a madrugada.
  • Em trajetos longos, planejar paradas e revezamentos, para não chegar ao limite.
  • Pilotar uma motocicleta cansa mais que dirigir um automóvel, principalmente em viagem.
  • O vento, o frio e a chuva fazem cansar mais depressa, no caso do motociclista: manter-se aquecido.
  • Vale a pena mandar instalar um pára-brisa, para fazer longas viagens. Para evitar o cansaço, pilotos experientes raramente pilotam mais que seis horas por dia.
O cansaço permanente, resultante de certas doenças como estresse e esgotamento, caracteriza o estado de fadiga, que pode ser originado por má distribuição entre horas de trabalho e descanso, por períodos prolongados. Esta condição é muito perigosa para quem passa muitas horas no trânsito. É importante que o portador desses sintomas procure ajuda médica. 

motociclistas cuidado

Os principais cuidados para evitar acidentes com motociclistas são:
  • Manter uma distância segura.
  • Tomar cuidado em conversões à esquerda e à direita, pois os motoqueiros costumam transitar nos “pontos cegos”.
  • Conferir o que se passa atrás, constantemente, pelos retrovisores.
  • Ter cuidado ao abrir as portas do veículo quando estiver estacionado ou parado em congestionamentos e cruzamentos.
  • Para ultrapassar uma motocicleta, usar os mesmos cuidados utilizados nas ultrapassagens de veículos.
  • Condutor sem capacete é sinal de negligência e imprudência: redobrar o cuidado.

O Motociclista deve:
  • Utilizar os equipamentos de segurança: capacete, viseira, luvas, botas e roupa adequada.
  • Manter sua moto em perfeito estado.
  • Reservar um espaço de segurança à sua volta, equivalente ao espaço de um automóvel.
  • Ter cuidado com motoristas distraídos.
  • Ser previsível, sinalizando sua presença e certificando-se de que está sendo notado, por ser pequeno e difícil de ser percebido.
  • Usar o farol baixo ligado, mesmo de dia.

Dicas sobre alcoól e dirfeção

Conduzir sob efeito de bebida alcoólica, conforme a LEGISLAÇÃO em vigor, é um ato criminoso. Apesar disso, mais de 50% dos acidentes de trânsito, no Brasil, envolvem alguém alcoolizado.
Os dois maiores perigos do álcool são:
  • A maioria das pessoas alcoolizadas “acredita” que está bem, com reflexos e reações normais. Isso ocorre devido à falsa sensação inicial de leveza e bem estar que o álcool proporciona.
  • O álcool induz as pessoas a fazerem coisas que normalmente não fariam, seja por excesso de confiança, ou pela perda da noção de perigo e respeito à vida.

Os principais efeitos do álcool no organismo são:
  • Diminuição da coordenação motora.
  • Visão distorcida, dupla e fora de foco.
  • Raciocínio e reações lentas.
  • Falta de concentração.
  • Diminuição ou perda do espírito crítico.
  • Baixa qualidade de julgamento.

Principais comportamentos nocivos no trânsito, provocados pela ingestão de bebidas alcoólicas: excesso de velocidade, manobras arriscadas, avaliação incorreta de distâncias, erros visuais, com desvios de direção, erros por reações fora de tempo, atrasadas, perda do controle da situação.
O bafômetro é um aparelho que mede a dosagem de álcool contida no ar expelido pelo condutor. Segundo o CTB, se a concentração for maior que 6 decigramas por litro de sangue, o indivíduo está alcoolizado e, portanto, impedido de dirigir. A partir de fevereiro de 2006, a lei 11.275, autoriza policiais a autuar motoristas flagrados dirigindo sob influência de álcool baseado apenas em sinais de embriaguez.